Newsletter

Receba a nossa newsletter

É profissional de saúde?

1

Login


BEM-VINDO AO APFH IMMERSIVE VIRTUAL CONGRESS

Recebeu os dados de acesso aquando da sua inscrição, via e-mail. Introduza os dados e desfrute do nosso Congresso

E-poster
Número de Trabalho: 19

A Imunoterapia: Vantagens, Desvantagens e Perspetivas Futuras

A Imunoterapia: Vantagens, Desvantagens e Perspetivas Futuras

A imunoterapia como tratamento ajuda a estimular as defesas naturais do organismo para combater o cancro, aumentando a eficácia para detetar ou atrasar o crescimento das células cancerígenas, evitando a disseminação oncológica. Novas abordagens de imunoterapia se desenham como; os inibidores de checkpoint, terapia com células CAR T (Chimeric antigen receptor T) e vacinas que levam o organismo a proteger-se contra as suas próprias células danificadas ou anormais. A imunoterapia pode ser utilizada em primeira linha de tratamento ou em linhas subsequentes.

Objetivos

Revisão bibliográfica das vantagens e desvantagens do uso da imunoterapia, bem como as perspetivas futuras.

Metodologia

Análise de artigos científicos, de forma a se poder descrever as vantagens e desvantagens da utilização da imunoterapia no tratamento do cancro.

Resultados

Vantagens: – uma taxa de sobrevida a longo prazo significativamente melhorada, possuindo também uma boa taxa de precisão, especificidade e direcionamento, não atacando apenas as células tumorais em divisão como, geralmente, a quimioterapia e a radioterapia, conseguindo atingir zonas específicas inacessíveis à cirurgia. – Eficácia por longo período de tempo, podendo o tratamento controlar vários tipos de tumores. – Tratamento persistente e abrangente, podendo restaurar e melhorar a função imunológica identificando e eliminando as células tumorais e prevenindo a recorrência de metástases. – Menores efeitos colaterais e melhor tolerados quando comparados com a quimioterapia clássica.

Desvantagens: – custos dos tratamentos extremamente elevado. – Limitada, por não ser uma alternativa que possa ser utilizada para todos os tipos de tumores. – O uso de inibidores de checkpoint pode produzir regulação negativa levando a doenças autoimunes. – Ocorrência de uma grande variedade de efeitos tóxicos e colaterais não específicos a todos os doentes.

Conclusões

A imunoterapia é incontornável no tratamento oncológico. Tem se assistido a múltiplos ensaios clínicos como estratégia terapêutica, no entanto a imunoterapia pode não ser abrangente a todos os doentes. A imunoterapia, nas suas diferentes modalidades, vai tornar-se um tratamento cada vez mais universal visando uma melhor eficácia e redução de reações adversas ao encontrar novos alvos e novos métodos, como a (terapia combinada). O futuro concentra-se na recuperação da via imunossupressora específica no processo anti tumoral, aumentando a resposta imune sistémica ampla e não direcionada. É importante melhorar os regimes de tratamento, reduzindo os efeitos tóxicos e colaterais.

Relacionados

E-posterE-poster

poster

Projeto Entrega de Proximidade na ULSCB

Nelson Alexandre Martins dos Santos

E-posterE-poster

poster

Estabilidade química e física dos medicamentos citotóxicos

Sara Cristina Ferraz Portugal

E-posterE-poster

poster

Intervenções farmacêuticas na infecção por SARS-CoV-2 do doente adulto

Ana Rodrigues

E-posterE-poster

poster

Patient Blood Management (PBM) – 10 anos de evolução

Rute Duarte