Newsletter

Receba a nossa newsletter

É profissional de saúde?

1

Login


BEM-VINDO AO APFH IMMERSIVE VIRTUAL CONGRESS

Recebeu os dados de acesso aquando da sua inscrição, via e-mail. Introduza os dados e desfrute do nosso Congresso

E-poster
Número de Trabalho: 41

Administração de Fármacos por Sonda

Administração de Fármacos por Sonda

Introdução

É frequente a utilização de sondas nasogástricas (SNG) para a administração de fármacos, em doentes com limitações no uso da via oral. A administração de fármacos orais sólidos por SNG implica a sua manipulação. Métodos de administração incorretos podem levar à diminuição da eficácia dos fármacos, aumento dos seus efeitos adversos, incompatibilidades com a formulação do fármaco ou mesmo à obstrução da sonda. Na nossa instituição, está implementada uma metodologia de sinalização de doentes com SNG, através do sistema informático, por parte dos médicos, de forma a permitir aos farmacêuticos verificarem a adequabilidade/possibilidade de administrar os medicamentos por esta via. Aquando da validação da prescrição, o farmacêutico sinaliza no sistema informático os fármacos que não podem ser administrados por SNG e nos restantes regista informação sobre a técnica mais adequada e outros cuidados adicionais.

Objetivo

Analisar os medicamentos mais consumidos nos serviços de medicina I e II da nossa instituição e identificar os que podem ser administrados por SNG por dispersão e os que necessitam de ser pulverizados, avaliando a sua adequabilidade segundo a bibliografia disponível, de forma a sistematizar a informação sobre a administração.

Métodos

Consulta dos medicamentos orais sólidos mais utilizados nos serviços de medicina I e II da nossa instituição, no ano de 2019, serviços em que são mais frequentes doentes com SNG. Pesquisa bibliográfica sobre possibilidade e tempos de dispersão para administração por SNG. Da análise feita foram excluídos formas farmacêuticas gastrorresistentes e de libertação modificada.

Resultados

Dos 50 medicamentos orais sólidos analisados, 24% dispersam entre 1-2 minutos, 44% em mais de 2 minutos e 32% não se recomenda a sua dispersão, ou por ser demasiado longa ou por falta de informação, sendo recomendada pulverização. Dos 50 fármacos estudados, existe alternativa de solução ou suspensão oral para 10% dos fármacos. Foi elaborada uma tabela com os respetivos fármacos e as recomendações para administração via SNG, com a indicação para usar técnica de dispersão e respetivo tempo ou indicação para pulverizar e os que requerem cuidados especiais. Dentro dos fármacos estudados, foi identificado 1 fármaco que requer cuidados especiais na manipulação (finasterida).

Conclusões

A técnica de dispersão é uma alternativa mais eficiente que a pulverização, pois leva a menor perda de fármaco e é um procedimento mais higiénico que a pulverização. Embora seja a técnica preferível, é importante ter em consideração que tempos longos de dispersão não se adequam à prática diária da administração de fármacos pela enfermagem, pelo que foram seleccionados os fármacos com tempos de dispersão mais curtos.

Referências

1- Luna Vega, T.; Sorní Pérez, I.;Goyache Goñi, M. P.; Marfagón Sanz, N.;Herreros de Tejada, A. Técnica para la administración de medicamentos por sonda nasogástrica. Farm Hosp 22 (1998), p.257-260

Relacionados

E-posterE-poster

poster

Impacto da regulamentação das boas práticas de manipulação na farmácia hospitalar brasileira

Michelle Silva Nunes

E-posterE-poster

poster

Patient Blood Management (PBM) – 10 anos de evolução

Rute Duarte

E-posterE-poster

poster

Projeto Entrega de Proximidade na ULSCB

Nelson Alexandre Martins dos Santos

E-posterE-poster

poster

Estabilidade química e física dos medicamentos citotóxicos

Sara Cristina Ferraz Portugal